De Bruno Guma e Yuri Moraes: Bully Bully

A Darkside Books lança em novembro Bully Bully, obra nacional produzida pelos quadrinistas Bruno Guma (roteiro) e Yuri Moraes (arte). Entre os trabalhos de Guma estão Pile Up (2017), Pequena Green (2018) e A Decepção Final (2022). Já Moraes é conhecido por Garoto Mickey (2011 e 2022), Wasteland Scumfucks: Terra do Demônio (2017) e Héros Américains (2022).

Muitos descrevem os quadrinhos como uma arte narrativa onde palavras e ilustrações são combinadas para contar histórias. No entanto, sabemos que também é possível fazer histórias em quadrinhos sem nenhuma palavra escrita. Obras como Cinema Panopticum e A Floresta, de Thomas Ott, e Poochytown, de Jim Woodring, são tão profundas, instigantes e marcantes quanto histórias que utilizam palavras.

Bully Bully é um mergulho na construção da identidade de um menino através de seus sonhos, pesadelos e desilusões acumulados em três épocas diferentes de sua vida. Seremos conduzidos por uma tríade de histórias interligadas em que o silêncio ecoa em nós a cada página, os dramas sensoriais narrados com um toque ácido de realismo fantástico. Experiências de vida que não representam um território e sua cultura, mas que se manifestam de forma errática e universal. Nessa obra peculiar construída por Moraes e Guma encontraremos todas as faces da solidão, as farpas do amor e as cicatrizes da violência. Um silêncio que marca na pele e nos define para sempre.

Na primeira história, que dá título ao livro, nosso protagonista tem 13 anos, e é levado a uma briga de facas na saída da escola, contra os valentões que andam com sua ex-namorada. Ele tem que decidir se foge ou luta contra seus inimigos e encara a garota. Em “Solo”, ele tem 23 anos e é abandonado pela namorada, além de estar insatisfeito com o trabalho, que consiste em criar jingles promocionais para uma empresa de marketing. Ele tenta adormecer seus sentimentos e levar uma vida normal, até perceber que falta algo. Por fim, em “½”, o protagonista, agora com 33 anos, mora com a noiva e leva uma vida saudável, correndo todos os dias como um atleta, até que um acidente o obriga a lidar com preconceitos, tendo de redescobrir quem ele realmente é.

Com influência de quadrinistas como Charles Burns e Daniel Clowes, autores como Neil Gaiman e cineastas como Hayao Miyazaki e Wes Anderson, Bully Bully é um quadrinho imperdível, silencioso, sobre uma infância que ainda grita. Capa dura com 224 páginas.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: